Posts

Hora da Família 2020: Eu e minha família serviremos ao Senhor

“Eu e minha família serviremos ao Senhor”

Esse título é uma frase do livro de Josué (cap. 24) e se constitui como tema da Semana da Família, a ser celebrada entre 9 e 15 de agosto. O objetivo é levar-nos a refletir sobre a vocação da família cristã, que é servir ao Senhor e à sua Igreja. Humanamente, falar em servir, tem uma conotação de submissão. Porém, servir a Deus tem uma dimensão de libertação. Quanto mais formos submissos a Deus, mais livres seremos. Deus nos concedeu o Espírito de seu Filho, que, em nós, clama Abbá, Pai. Se nos guiarmos por esse mesmo Espírito, serviremos a Deus como filhos e não como escravos. “Já não és escravo, mas filho” (Gl 4,7). Quando Jesus, o Filho por excelência (que tem a mesma natureza divina do Pai celeste) foi tentado pelo diabo, que lhe ofereceu a posse de todos os reinos do mundo se o adorasse, Jesus respondeu dizendo: “Ao Senhor teu Deus adorarás e somente a Ele servirás” (Mt.4,10). O serviço a Deus é um ato de amor filial e libertador.

No Antigo Testamento, servir a Deus tinha dupla conotação: servir no culto, ou seja, nos sacrifícios oferecidos e na manutenção do templo e, o segundo aspecto, servir a Deus por uma conduta conforme a sua vontade. Ainda no A.T. afirma-se que servir a Deus pela obediência se antepõe ao culto. No primeiro livro de Samuel (15,22), lemos: “O que o Senhor prefere? Que lhe ofereçam holocaustos e sacrifícios, ou que obedeçam à sua palavra? Obedecer vale mais do que oferecer sacrifícios. Ser dócil é mais importante do que a gordura de carneiros oferecida nos sacrifícios”. Jesus é o Filho obediente; Ele veio para fazer a vontade do Pai (cf. Lc.2,49). Essa fiel obediência de Jesus ao Pai o levou à cruz. Jesus foi obediente até à morte. Sua obediência nos salvou. A cruz é expressão de sua obediência até às últimas consequências. Assim Jesus serviu ao Pai fazendo-lhe a vontade, e a nós reparando nossa recusa em obedecer. Jesus expressa isso ao dizer: “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos” (Mc.10,45).

O único culto agradável a Deus, que prestamos como cristãos, é oferecer o sacrifício de Jesus Cristo que, pela obediência, entregou a vida por nós. Cada vez que celebramos a Eucaristia (a missa) é esse sacrifício de Jesus que é atualizado pelo Sacramento. No contexto da última ceia, ao instituir a Eucaristia, Jesus ensinou: “Eu vos dei o exemplo para que como eu fiz vós façais também” (Jo.13,15). Portanto, obedecer ao Pai e viver ou entregar a vida pelos outros é o que o Senhor espera de nós, seus discípulos.

Aqui temos uma importante indicação às famílias cristãs: devemos servir a Deus pela obediência, por uma vida que seja conforme à Sua vontade, seguindo assim o exemplo de Jesus, que foi obediente ao Pai e dedicou a vida pelos irmãos. Nas famílias cristãs, ainda no colo dos pais, os filhos devem aprender a fazer a vontade de Deus. Só poderemos fazer o que o outro quer se nos dispusermos a ouvir e a dar atenção ao que o outro tem a nos dizer. Assim também só poderemos fazer a vontade de Deus dando atenção e procurando conhecer, por meio de sua Palavra, o que Ele quer de nós. É no seio da família cristã que temos que aprender a amar e servir a Deus.

Como haverá quem escute e aprenda se não houver quem anuncie e ensine? Foi em função disso que Jesus incumbiu seus discípulos de ensinarem a todos tudo o que dEle aprendemos. “Ide, fazei discípulos … ensinai-lhes a observar tudo o que eu vos ensinei” (Mt.28,19). Serviremos ao Senhor atendendo ao que Ele nos pediu. Portanto, anunciar a Palavra, ensinar o que aprendemos do Senhor, ministrar catequese, realizar a leitura orante da Bíblia, transmitir a fé aos filhos, etc., constitui-se como serviço ao Senhor. Na carta aos Filipenses (cap. 2), o apóstolo Paulo diz: “Os outros buscaram seus próprios interesses e não os de Jesus Cristo. Mas ele (Timóteo), vós sabeis que prova deu: como um filho junto do pai, ele se pôs comigo ao serviço do evangelho”.

Atualmente, as ocupações da vida, o desejo de conquistar objetivos pessoais, a busca em saciar nossas necessidades materiais, facilmente, podem nos levar a viver movidos pelos nossos próprios interesses e a menosprezar o serviço ao Senhor. Por isso, Jesus faz um sério alerta aos seus discípulos (Mt.6, 24): “Ninguém pode servir a Deus e ao dinheiro”, ou seja, servir a Deus e aos seus próprios interesses. Não permitamos que esse “rival” se interponha entre Deus e nós, distanciando-nos de servi-Lo como convém.

Tudo sobre a Semana Nacional da Família 2020

Em síntese, SERVIR A DEUS significa: participar e manter o culto, obedecer ao que o Senhor nos pede, sobretudo no amor a Deus e ao próximo, anunciar e ensinar a outros tudo o que do Senhor nós aprendemos. Assim agindo, cada cristão, consciente e decididamente, poderá reafirmar: EU E MINHA FAMÍLIA SERVIREMOS AO SENHOR.

Por que alguns “artistas” estão contra a família?

 

Dom Wilson Angotti – Bispo de Taubaté / Portal Kairós

Subsídio Hora da Família 2020 terá encontros mensais

O subsídio Hora da Família 2020, utilizado em todo o Brasil durante a Semana Nacional da Família, no mês de agosto, agora terá encontros mensais. A partir de 2020, a Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF) irá oferecer um material com encontros para cada mês, além do que é proposto tradicionalmente.

Para o próximo ano, o tema proposto é “Família, casa da Palavra”, em sintonia com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023), as quais propõem como pilares das “comunidades eclesiais missionárias” a palavra, o pão, a caridade e a missão.

“As comunidades, as casas, serão agraciadas com as DGAE e chamadas a ser Comunidades Eclesiais Missionárias. Desta forma, o subsídio Hora da Família continuará a oferecer às famílias do Brasil a oportunidade de colocar em prática, pela meditação da Palavra de Deus e gestos fraternos, a misericórdia do Pai, na Casa que se abre para acolher e a anunciar os benefícios da vivência da Palavra, assim como, na comunidade que carece da Alegria do Evangelho”, explica o assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB e secretário executivo da CNPF, padre Crispim Guimarães dos Santos.

A proposta de um subsídio mensal nasce do desejo de aumentar os benefícios colhidos pelas famílias na segunda semana de agosto para o ano inteiro. Também há o desejo de contribuir para com aqueles grupos que já usavam o Hora da Família por sete meses, aproveitando para realizar os encontros mensais nos grupos paroquiais porque não tinham materiais adequados às famílias.

O intuito, desta forma, é colaborar com as famílias de modo efetivo e ajudar a fazer conhecidos os documentos da Igreja, realmente na base. “A CNBB perguntou às Comissões: ‘como faríamos para tornar as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora parte efetiva do nosso trabalho?’ Acreditamos que existem muitas formas, mas nenhuma será mais eficaz que todo mês entrar na casa e no coração de cada família, falando da Palavra de Deus e daquilo que as DGAE propõem, numa linguagem compreensível”, afirma padre Crispim.

Os encontros disponíveis

Já estão disponíveis para baixar dois encontros do Hora da Família 2020. O primeiro foi preparado para o dia 31 de dezembro, uma celebração da Sagrada Família com o título “A Santidade na Sagrada Família de Nazaré”. O outro é o encontro do mês de janeiro, com o tema “A Festa”.

Baixe dois dos encontros do Hora da Família 2020:

 

CNPF / Portal Kairós

Materiais / subsídios pra a Hora da Família 2019

Downloads Hora da Família 2019

Materiais de apoio: cartaz, hino oficial, roteiros e sugestões de animação

A Família como vai? –  continua a ser também para a Igreja um desafio não só por causa da complexidade que responder a ela envolve, mas principalmente porque também o mundo parece esperar a resposta para ajudá-lo a não ferir mais a própria família que, não deixou de ser a célula da sociedade.

 

Livrinho Hora da Família 2019:

 

Cantos Semana Nacional da Família 2019

Músicas do Hora da Família 2019:

 

Hino da Campanha da Fraternidade 1994 – A família como vai?:

 

Partitura do Hino da Campanha da Fraternidade 1994 – A Família, como vai?:

 

Banner Semana Nacional da família 2019:

 

Capa Semana Nacional da Família 2019:

 

Cartaz Semana Nacional da Família 2019:

 

Foto cartaz interno Hora da Família 2019:

 

Cartaz interno Hora Família 2019:

 

Foto da capa da Hora da família 2019:

 

Hora da Família 2019 – Divulgação:

 

Roteiros e sugestões de Animação:

 

Catequese

Para colorir – Hora da Família 2019:

 

Imagens de Família para colorir:

 

Extra

Logomarca da Pastoral Familiar:

 

Textos de formação da Pastoral Familiar:

 

 História dos Hinos das CFs 1966 a 2017:

 

Pastoral Familiar – cnpf.org.br / Portal Kairós

Conheça o subsídio da Hora da Família 2019

A família, como vai?

Semana Nacional da Família
Tema: A Família, como vai?
Data: 11 a 17 de agosto de 2019
Pastoral Familiar – CNBB

O subsídio Hora da Família chega em nossas mãos nos lançando para o questionamento que se torna cada vez mais atual em nosso ambiente pastoral, ou seja: “A família, como vai?” Acreditamos que recordar a Campanha da Fraternidade de 1994, cujo tema foi justamente esse, nos reporta às reflexões feitas naquele tempo, nos instiga a nos atualizarmos e não só refletirmos, mas também nos ajuda a percebermos que, como Pastoral Familiar, precisamos levar nossos agentes a ter esse tema como ponto de ação missionária para nossa Semana da Família de 2019.

Nessa edição, procuramos distribuir a reflexão sobre a pergunta, “A família, como vai?” através dos sete temas que, esperamos, consigam nos fazer “viajar” pelas várias possibilidades de respostas que poderemos dar. Aliás, talvez, ao final de nossa Semana da Família 2019, não chegaremos a uma resposta adequada dentro do que o próprio Deus pensou sobre essa instituição divina chamada família, mas teremos tentado ao menos nos aproximar do “pensamento” de Deus.

Somos convidados a refletir sobre a iniciação à vida cristã que deve começar no seio da família, pois é nela que devemos, por primeiro, conhecer e aprender a amar a Deus. Refletir sobre a realidade da família em nossos tempos não é tarefa fácil porque a todo momento enfrentamos situações que fragilizam a vida da família, causando a necessidade de fortalecimento da vivência familiar, para que essa não perca sua direção. Reforçar a família como defensora da vida seja, talvez, a tarefa mais importante e mais desafiadora de nossas famílias nesses últimos tempos, mas a família, obra prima de nosso Deus, não pode se esquivar dessa missão.

A pergunta “A família, como vai?” continua a ser também para a Igreja um desafio não só por causa da complexidade que responder a ela envolve, mas principalmente porque também do parece esperar a resposta para ajudá-lo a não ferir mais a própria família, que não deixou de ser a célula da sociedade.

Recordando o clima do Encontro Mundial das Famílias, vivido em agosto de 2018, percebemos que o Papa Francisco, com suas palavras, parecia também lançar para o mundo o mesmo questionamento sobre a família. “Vós, queridas famílias, sois a grande maioria do povo de Deus. Que fisionomia teria a Igreja sem vós? Uma Igreja de estátuas, uma Igreja de pessoas solitárias… Foi para nos ajudar a reconhecer a beleza e a importância da família, com suas luzes e sombras, que foi escrita a Exortação Amoris Laetitia sobre a alegria do amor, e quis que o tema desse Encontro Mundial das Famílias fosse ‘O Evangelho da Família, alegria para o mundo’. Deus quer que cada família seja um farol que irradia a alegria do seu amor pelo mundo”.

Nessas palavras acima descritas, tiradas do discurso do Papa Francisco em Dublin, no Croke Park Stadium, no sábado, dia 25 de agosto de 2018, percebemos a preocupação dele em que as famílias sejam para o mundo um exemplo de vida fraterna. Diríamos que, nas entrelinhas das palavras do Papa, está a pergunta “A família, como vai?”.

Músicas do Hora da Família 2019

 

Padre Jorge Alves Filho
Assessor Nacional da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família e Secretário Executivo da Comissão Nacional da Pastoral Familiar

 

Pastoral Familiar – cnpf.org.br / Portal Kairós

Apresentação da Hora da Família 2019, a família vai abrindo caminho!

A família vai abrindo caminho!

Pouca gente se recorda dos conteúdos, mas muitos se lembram da pergunta feita na Campanha da Fraternidade de 1994: “A família, como vai?”. Ou mesmo quem não estava lá naquele tempo pode ter no ouvido a melodia que permaneceu entre os cantos litúrgicos: “E a família, como vai? Meu irmão, venha e responda!
Quem pergunta é o Pai, a verdade não esconda…” Passaram-se 25 anos daquela CF, e o nosso “Hora da Família” quer repropor essa pergunta que tantas vezes entra no nosso diálogo cotidiano.

O Sínodo da Família e a Exortação Familiaris Consortio, de São João Paulo II, produziam, há 25 anos, seus frutos entre nós. Muitas famílias viviam o drama do desemprego e da instabilidade causada por inflação descontrolada, crises políticas, impeachment, e sucessivos escândalos de corrupção. “E a família, como vai?”, perguntava a Campanha da Fraternidade.

Temos hoje uma Pastoral Familiar bem mais desenvolvida, abrangente e atuante nas dioceses e comunidades. A chama de entusiasmo trazida pelos últimos Sínodos e pela Amoris Laetitia do Papa Francisco, justifica esse olhar positivo. O ambiente do mundo, comparado ao de 1994, encontra semelhanças: crise econômica, desemprego, deposição da presidente, corrupção, valores familiares questionados. Mas, neste novo contexto, a Família, na Igreja, vai assumindo um papel mais central e decisivo que, esperamos, irá crescer ainda mais.

Esse desejo de estar no centro das ações eclesiais aparece neste “Hora da Família 2019”, ligando-o à Iniciação à Vida Cristã, às Políticas Públicas, ao envolvimento com as questões contemporâneas da vida urbana e à missão em meio a outras famílias. Não há não abrir os braços para os jovens, recentemente ouvidos como interlocutores privilegiados da Igreja para instruí-la quanto aos caminhos do futuro. Foi o pedido feito no último Sínodo dos Bispos.

Neste Sínodo sobre “os Jovens, a Fé e o Discernimento Vocacional”, dizia Francisco: “Os jovens podem ensinar a Igreja. Eles podem estar mais à frente dos pastores e, graças a eles, a Igreja pode se renovar, sacudindo “peso e a lentidão”. Por isso, a palavra dos jovens deve ser
“acolhida, respeitada e acompanhada”, disse o Papa. Também na Pastoral Familiar, muitos casais jovens estão assumindo a missão com entusiasmo, senso crítico e alegria missionária. Vamos ouvi-los, acompanhá-los e contar com eles.

Que o “Hora da Família“, em 2019, seja iluminador para o ano todo, suas páginas possam ser inspiradoras e até expandidas através dos documentos citados em cada tema. Assim, a Família irá bem, abrindo caminho rumo a um futuro melhor para a humanidade.

 

Músicas do Hora da Família 2019

 

Dom João Bosco Barbosa de Sousa
Bispo de Osasco (SP) e Presidente da Comissão
Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB

 

Pastoral Familiar – cnpf.org.br / Portal Kairós

Downloads

Hora da Família 2021 Mensal – Janeiro

Hora da Família 2021 Mensal – Fevereiro