Cardeal Stella a diáconos: crescer no espírito do acolhimento

Cardeal Beniamino Stella

“Esta iniciativa oferece a vocês a oportunidade de ouvir ilustres relatores e, mais ainda, de refletir sobre a especificidade do ministério diaconal, caracterizado por aquela caridade evangélica que se expressa justamente no serviço aos mais fracos.”

Foi o que escreveu o prefeito da Congregação para o Clero, Cardeal Stella, na mensagem que enviou aos diáconos reunidos até este sábado (05/08) em Altavilla Milicia, na província de Palermo – sul da Itália – por ocasião de seu encontro nacional.

O purpurado evocou as palavras do Papa dirigidas propriamente aos diáconos durante a celebração de seu Jubileu: “Papa Francisco quis especificar que o discípulo do Senhor deve ter a ambição de tornar-se servidor”.

“Esta ‘santa ambição’ – assim a define o Cardeal Stella -, que nos liberta da tentação de tomar posse do ministério ao qual somos chamados na Igreja e de fazer dele um instrumento de poder, nos ajude a crescer no espírito evangélico do acolhimento, da proximidade e do serviço com compaixão, sobretudo para com os irmãos que vivem situações de sofrimento e de enfermidade”, foi a exortação do prefeito da Congregação para o Clero.

Sobre Cardeal Beniamino Stella

Dom Beniamino foi o segundo dos doze filhos de Giuseppe Stella e Rosa Pederiva, que eram fazendeiros em Pieve di Soligo, na comuna italiana de Treviso.

Seu pároco foi fundamental na sua decisão de ingressar no seminário. Depois de terminar o ensino médio, em 1960, mudou-se para Roma, ingressando no Seminário Pontifical Romano Maggiore. Estudou Filosofia e Teologia, na Pontifícia Universidade Lateranense.

Em 1965, seu bispo, Albino Luciani (que se tornaria o Papa João Paulo I, eleito em 1978) da Diocese de Vittorio Veneto, mandou-o para a Pontifícia Academia Eclesiástica, em Roma, para estudar Diplomacia, curso que concluiu em 1970, obtendo também doutorado em Direito canônico.

 

Rádio Vaticano

Baixe materiais especiais para seu grupo

Solenidade da Transfiguração do Senhor, a mensagem do Ângelus

Hoje, domingo, dia 6 de Agosto de 2017, a Igreja celebra a solenidade da Transfiguração do Senhor. Como de costume, às 12 horas de Roma, o Papa Francisco celebrou, na Praça de S. Pedro, repleta de fiéis e peregrinos provenientes de diversas partes da Itália e do mundo, a habitual cerimônia Mariana do Ângelus.

A página evangélica deste domingo, disse o Papa, narra-nos a experiência de um evento extraordinário de que foram testemunhas os apóstolos Pedro, Tiago e João. Jesus tomou-os consigo e levou-os, em particular a um alto monte e enquanto rezava o seu rosto mudou de aspecto, ficou resplandecente como o sol e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz.

Apareceram Moisés e Elias e entraram em diálogo com Jesus. Eis então que Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Senhor, como é bom estarmos aqui! Se quiseres, farei aqui três tendas: uma para Ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Mas antes mesmo que Pedro terminasse de falar, eis que uma nuvem luminosa os cobriu com a sua sobra.

O evento da Transfiguração do Senhor oferece-nos uma mensagem de esperança: convida-nos a encontrar Jesus, para estarmos ao serviço dos irmãos. A subida dos discípulos para o Monte Tabor leva-nos a reflectir sobre a importância de destacarmo-nos das coisas mundanas, para percorrermos um caminho para o alto e contemplar Jesus. Trata-se de dispormo-nos à escuta atenta e orante de Cristo, o Filho amado do Pai, procurando momentos íntimos de oração que permita o acolhimento dócil e alegre da Palavra de Deus.

Neste sentido, somos chamados, observa ainda Francisco, a redescobrir o silêncio pacificador e regenerador da meditação do Evangelho que conduz para uma meta rica de beleza, de esplendor e de alegria.

Nesta perspectiva o tempo do verão, das férias, é um momento providencial para incrementar o nosso empenho de busca e de encontro com o Senhor. Neste período os estudantes estão livres dos empenhos escolares e tantas famílias gozam das suas férias; é importante que no período do repouso e distanciamento das ocupações quotidianas, se possa regenerar as forças do corpo e do espírito, aprofundando o caminho espiritual.

No fim da admirável experiência da Transfiguração, observa o Santo Padre, os discípulos desceram da montanha com os olhos e os corações transfigurados pelo encontro com o Senhor. É o caminho que podemos realizar também nós. A redescoberta sempre viva de Jesus não é um fim em si, mas nos conduz a “descer da montanha”, refortificados com a força Espírito Divino, para decidir novos passos de autêntica conversão e para testemunhar constantemente a caridade como lei de vida quotidiana.

Transformados pela presença de Cristo e pelo ardor da Sua Palavra, disse ainda Francisco, seremos um sinal concreto do amor vivificante de Deus para todos os nossos irmãos, especialmente para quem sofre, para aqueles que se encontram na solidão e no abandono, para os enfermos e para a multidão de homens e mulheres que, em diversas partes do mundo, são humilhados pela injustiça, pela prepotência e pela violência.

Na Transfiguração se ouve a voz do Pai celeste que diz: “Este é o meu Filho amado. Escutai-O! “(V.5). Olhemos para Maria, a Virgem da escuta, sempre pronta para acolher e guardar no coração cada palavra do Filho divino (Lc 1, 51). Que a celeste Mãe de Deus nos ajude a entrar em sintonia com a Palavra de Deus para que Cristo se torne luz e guia de toda a nossa vida. A Ela confiamos as férias de todos, para que sejam serenas e profícuas, mas sobretudo o verão daqueles que não podem gozer das férias porque impedidos pela idade, por motivos de saúde ou de trabalho, por restrições económicas ou por outros problemas, para que, mesmo assim, seja um tempo de relaxe, animado de presenças amigas e de momentos felizes.

Após a recitação mariana do Ângelus, Francisco dirigiu palavras de saudação e de agradecimento aos milhares de fiéis e peregrinos congregados na Praça de S. Pedro para assistir a cermónia nestes termos não obstante o sol e o imenso calor romano:

Queridos irmãos e irmãs, disse o Santo Padre,
saúdo todos vós, romanos e peregrinos de vários países: famílias, associações, fiéis.

Hoje estão presentes aqui, vários grupos de adolescentes e jovens. Saúdo-vos com grande afecto! Em particular, o grupo da pastoral juvenil de Verona; os jovens de Adria, Campodarsego e Offanengo.

Finalmente, Francisco desejou à todos um bom domingo. Pedindo que por favor, não se esqueçam de rezar por Ele. Bom almoço e até breve, concluiu dizendo o Santo Padre!

 

Rádio Vaticano

Baixe materiais especiais para seu grupo

“Caminhando ao local de nascimento do Profeta” recorda 100 anos de Romero

“Caminhando ao local de nascimento do profeta” é o nome da peregrinação organizada pelo Arcebispado de San Salvador, para recordar os cem anos de nascimento de  om Óscar Arnulfo Romero.

A caminhada de três dias – como explicou aos jornalistas na quarta-feira o Cardeal Gregorio Rosa Chávez – sairá da capital salvadorenha com destino à terra natal do Beato, no município de Ciudad Barrios, San Miguel.

“Qual o objetivo da peregrinação? É dar um sinal de esperança, sendo um povo que peregrina, buscando caminhos de unidade, realizando um esforço para construir a paz, caminhando pelas ruas até a cidade natal do Profeta”, afirmou o Diretor da Pastoral da Juventude da Arquidiocese de San Salvador, Padre Santos Hernández.

Primeira etapa

As autoridades eclesiásticas programaram desenvolver a marcha em três etapas, entre a sexta-feira 11 e o domingo 13 de agosto. Alguns trechos serão percorridos à pé e outros em ônibus.

O Cardeal Rosa Chávez explicou que para a sexta-feira foi programada uma missa para às 5 horas da manhã na Catedral Metropolitana.

Com o término da celebração, terá início a caminhada até San Rafael Cedros, no Departamento de Cuscatlán.

Esta primeira etapa estará a cargo da Arquidiocese de San Salvador.

Segunda etapa

Já a segunda parte da jornada estará a cargo das Arquidioceses de San Vicente, Zacaecoluca e Santiago de María.

A caminhada terá início no sábado, 12, no município de Apastepeque (San Vicente) e terminará em Mercedes Umaña (Usulután).

Terceira etapa

A terceira e última etapa terá lugar no domingo 13 em San Miguel, partindo do município de Chapeltique até Ciudad Barrios. A peregrinação culminará com uma missa no local onde nasceu o Beato Romero.

“Todo mundo foi se unindo ao longo do caminho. Há grande entusiasmo, de modo que este sinal é visto como uma esperança para o país. Acreditamos que este povo se movendo com fé pode alcançar o que se acredita impossível, um país em paz “, disse o Cardeal Rosa Chávez.

Símbolos

Três símbolos irmão marcar a peregrinação: a cruz, a imagem do beato Romero e a imagem da rainha da Paz.

Recomendações aos participantes

Àqueles que participarão da caminhada é pedido que levem uma capa para se proteger as chuva, um lenço para proteger-se do sol, uma térmica e alimentos energéticos, tudo armazenado dentro de uma pequena mochila.

Todo o percurso terá a proteção e o apoio da Policía Nacional Civil, a Cruz Vermelha, a Cruz Verde, o Grupo de Escoteiros e grupos paroquiais das diferentes dioceses.

 

Informações podem ser obtidas na fan-page “Camino de Monseñor Romero “Caminando a la cuna del profeta”.
br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Família Franciscana celebra Jubileu de Ouro em Aparecida

O Capítulo Nacional das Esteiras vai reunir Franciscanos e Franciscanas de todo o Brasil para, juntos, celebrar os 800 anos do perdão de Assis, os 50 anos da Conferência da Família Franciscana do Brasil e os 300 anos do encontro da imagem de Aparecida

No clima do Ano Mariano, a Conferência da Família Franciscana do Brasil celebra o seu Jubileu de Ouro no Capítulo das Esteiras, de 3 a 6 de agosto, em Aparecida.

O grande evento vai reunir os religiosos da Primeira Ordem (Frades Menores, Frades Menores Capuchinhos, Frades Menores Conventuais), da Segunda Ordem (Irmãs Clarissas), da Ordem Franciscana Secular (leigos), da Juventude Franciscana (leigos), da Terceira Ordem Regular (TOR), das Congregações e Movimento simpatizantes de Francisco e Clara de Assis. Dom Orlando Brandes preside a Eucaristia no primeiro dia; Dom Elias Manning celebra no segundo; e Dom Cláudio Hummes preside a Santa Missa no sábado.

Capítulo das Esteiras

“Neste Capítulo das Esteiras, a Família Franciscana do Brasil retoma algo peculiar na espiritualidade franciscana que é o encontro de irmãos e irmãs, celebrando o Deus da vida”, explica Frei Éderson Queiroz, presidente da Conferência da Família Franciscana do Brasil (CFFB), referindo-se aos primórdios da Ordem Franciscana quando os frades se reuniam em capítulo e, porque eram muitos e não havia hospedagem para todos, tinham que pernoitar nas esteiras.

“Ali era o encontro de voltar às fontes, ao espírito das origens. E daquele capítulo, eles partiam renovados, fortalecidos e com um grande desejo de irradiar no mundo a experiência da fraternidade vivenciada na escuta do Evangelho na Porciúncula, junto a Santa Maria dos Anjos”, acrescenta Frei Éderson.

Para este Capítulo, foi escolhido o tema “Levar ao mundo a misericórdia de Deus” e o lema: “É preciso voltar a Assis!”. “Com a Igreja, a sociedade, com as famílias profundamente machucadas, divididas por guerras em nome de Deus, é preciso beber na fonte de Assis. Ali, na Porciúncula, Francisco teve uma profunda intuição: levar todos ao paraíso. Francisco queria criar paraísos na vida das pessoas, nas relações entre as pessoas, entre as religiões. Ele queria criar paraísos que pudessem ser experiências de fraternidade, de respeito e de alteridade”, esclarece o presidente da CFFB.

O encontro

O Capítulo tem início na quinta-feira à tarde, no Centro de Eventos de Aparecida, e deverá reunir mais de mil participantes. Frei Vitório Mazzuco (OFM) abre a programação de palestras, abordando o tema e o lema do evento. Já na sexta-feira, Frei Carlos Susin (OFMCap) refletirá sobre “A Misericórdia na perspectiva franciscana”, ficando para sábado as reflexões sobre a Encíclica Laudato Si’, conduzidas por Frei Rodrigo Peret (OFM), Moema Miranda (OFS) e Igor Bastos (Jufra). Além das palestras, as oficinas abordarão os temas: Artes, Espiritualidade, Ecologia Integral, Juventudes, Família e Periferias Existenciais. O Capítulo termina no domingo com a Celebração Eucarística às 10h30.

50 anos da Família Franciscana

Seguindo o exemplo da Família Franciscana de alguns países europeus, os franciscanos da América Latina procuraram meios de colocar em prática a “volta às fontes” solicitada pelo Concílio Vaticano II. Deste modo, nasceu, em 1965, o Cefepal (Centro de Estudos Franciscanos e Pastorais para a América Latina) no Chile. Em 1966, surgia também no Brasil o Cefepal em Petrópolis (RJ) que foi pensado para ser um movimento franciscano que unisse, em espírito de fraternidade, todos os franciscanos e franciscanas do Brasil, para promover a reflexão sobre o carisma e a missão franciscanas e para dar uma resposta aos desafios da Igreja latino-americana. A Assembleia Geral de outubro de 1994 cuidou não apenas de repensar a nomenclatura, mas de tornar a estrutura mais ágil e simples. Deste modo, a FFB (Família Franciscana do Brasil) sucede ao Cefepal, significando o conjunto de todas as entidades associadas e os mais diversos serviços na linha da espiritualidade francisclariana. Em 2015, a FFB, reunida em Assembleia, atualizou seu Estatuto com o objetivo de acrescentar à sua denominação a palavra Conferência, assumindo status de uma representatividade em nível nacional.

 

(Equipe de Comunicação do Capítulo das Esteiras)
br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Itinerário de formação cristã como fruto do Concílio

No nosso Espaço Memória Histórica, 50 anos do Concílio Vaticano II, vamos continuar a tratar neste artigo os “Carismas que brotaram com a renovação do Concílio Vaticano II”.

“A tríplice ação da Igreja, isto é, martyria, leiturgia e diakonia, não é, portanto, mera atividade humana, em grau somente de indicar um Deus distante, mas antes expressão da cooperação entre Deus os homens, a fim de que Deus possa agir por nosso intermédio”. Com estas palavras do Cardeal Gerhard Müller recordamos no artigo passado um dos movimentos que nasceram no seio da Igreja como fruto do Concílio Vaticano II.

Neste artigo, Padre Gerson Schmidt nos traz a reflexão “Caminho neocatecumenal como fruto do Concílio Vaticano II”:

“O Cardeal Gerhard Müller, em novembro do ano passado, fez bela declaração a favor dos carismas na Igreja, particularmente do Caminho Neocatecumenal, como um fruto laical também do Concilio Vaticano II. Disse assim o Cardeal, na ocasião:

“A distinção entre dons hierárquicos e dons carismáticos não corresponde à distinção entre clérigos e leigos, enquanto o ser cristão de todos os membros do Corpo de Cristo, que é a Igreja, tem um fundamento sacramental. Pelo Batismo e a Crisma somos inseridos no mistério da santa Igreja; pelos sacramentos da Penitência e da Eucaristia a vida em Cristo vem purificada e nutrida, enquanto no matrimônio os cônjuges são fortificados com a graça de Cristo.

Todos participam completamente da vida santa e da ação santificante da Igreja, e a todas as principais atividades da missa, da solicitude pela salvação de todos e da caridade. É aquilo que nós chamamos apostolado dos leigos, que é o exercício do sacerdócio comum, real e profético do povo de Deus, mas também a vocação de todos os cristãos à santidade.

O sacerdócio sacramental dos pastores da Igreja não se coloca em contraposição à participação de todos os batizados na missão da Igreja pela força de Cristo, mestre, sacerdote e rei da Nova Aliança, mas está indissoluvelmente ligada a ela. Isso vem exercitado nos graus hierárquicos do episcopado e do presbiterado, assistidos pelos diáconos.

Todos os fiéis e os seus pastores, por sua vez, estão confiados ao cuidado pastoral universal do sucessor de Pedro: o Papa, bispo de Roma. A todos os fiéis e pastores são concedidos, além do mandato sacramental para o ensinamento e a guia da Igreja, também os dons do Espírito Santo.

Todo presbítero, por exemplo, tem o poder de conferir aos doentes graves ou aos moribundos o sacramento da unção dos enfermos. Pode haver casos, porém, nos quais o bispo escolha confiar a missão de capelão hospitalar a uma outra pessoa que se demonstre particularmente sensível no relacionar-se com as pessoas doentes.

Ou, para dar ainda outro exemplo: tendo claro que os leigos não podem exercer o autêntico magistério do Papa, dos bispos e dos sacerdotes ordenados, que vem conferido somente por meio do sacramento da ordenação, nada impede, pelo contrário, que um fiel receba, do Espírito Santo, o carisma do ensinamento.” – vemos aqui a importância que o Cardeal dá aos carismas vindo dos leigos.

O Cardeal declarou mais, lembrando a Lumen Gentium, número 12: dizendo que “o Espírito Santo doa carismas desde aqueles mais simples aos “mais extraordinários” – como aqueles dos fundadores das ordens, famílias ou movimentos religiosos, os quais “devem ser recebidos com agradecimento e consolo, porque são muito adequados e úteis às necessidades da Igreja” (LG 12). Por isso, para que a Igreja não se veja fragmentada nos seus vários ofícios, ministérios e carismas, mas recomposta na sua variedade para formar e edificar a unidade em Cristo, sobre a unidade de todo o povo de Deus, expressa na variedade das vocações e dos carismas, estão vigilantes, pela Igreja universal, o magistério eclesial confiado ao Papa, e, pelas igrejas locais, o magistério dos bispos. “O juízo sobre a genuinidade dos carismas e sobre o seu uso ordenado pertence àqueles que detêm a autoridade na Igreja; a esses corresponde sobretudo não extinguir o Espírito, mas examinar tudo e ficar com aquilo que é bom (cfr. 1 Ts 5,12 e 19-21)» (LG 12).

Feita essa longa introdução, o Cardeal declara o seguinte a respeito do carisma do Caminho Neocatecumenal: No exercício do mandato dado a eles por Cristo, os papas analisaram, acompanharam e promoveram o Caminho Neocatecumenal em várias etapas. Foi o Papa Bento XVI que, em 11 de maio de 2008, deu aos seus estatutos a aprovação canônica, reconhecendo, deste modo, também o carisma dos iniciadores como ação do Espírito Santo voltada para a edificação espiritual e pastoral da Igreja e aprovando este caminho de evangelização do mundo e de nova evangelização para os católicos batizados. (…) E, uma vez que este não se trata do catecumenato de adultos antes de seu batismo, mas do despertar, sustentar e fortalecer a fé de acordo com o modelo do catecumenato pré-batismal, ele é definido sinteticamente como “Neocatecumenato”.

Não se deve – e não se quer – substituir o ensinamento oficial da fé nas paróquias e nas escolas. Trata-se de fazer a experiência pessoal de uma vida com o Deus Trinitário santo e santificante, para compartilhar com um grupo de companheiros de viajem; de realizar um itinerário mistagógico e catequético que torna capaz de seguir o Senhor crucificado e ressuscitado, conformando-nos e unindo-nos a Ele no amor. Palavra de Deus, liturgia e comunidade são os três elementos fundamentais do Caminho Neocatecumenal”.

 

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo